AL A’RAF – Os Cimos

Revelado em Makka, 206 versículos, com exceção dos
versículos 163 e 170, que foram revelados em Madina.
7ª SURATA
Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso.
1 Alef, Lam, Mim,(478)
Sad.
2 (Eis aqui) um Livro, que te foi revelado para que não haja
receio em teu peito, (479)
e para que, com ele, admoestes
os incrédulos, para que seja uma mensagem aos fiéis.
3 Segui o que vos foi revelado por vosso Senhor e não
sigais outros protetores em lugar d’Ele. Quão pouco
meditais!(480)
4 Quantas cidades temos destruído! Nosso castigo tomouos
(a seus habitantes) de surpresa, enquanto dormiam, à
noite, ou faziam a sesta.
5 Nada imploraram, quando os surpreendeu o Nosso
castigo; não fizeram mais do que confessar, clamando:
Fomos iníquos!(481)
6 Inquiriremos aqueles aos quais foi enviada a Nossa
mensagem, assim como interrogaremos os mensageiros.
7 E lhes enumeraremos as ações com pleno
conhecimento, porque jamais estivemos ausentes.
8 E a ponderação, nesse dia, será a eqüidade; aqueles
cujas boas ações forem mais pesadas, serão os bemaventurados.

9 E aqueles, cujas boas ações forem leve, serão
desventurados, por haverem menosprezado os Nossos
versículos.
10 Temo-vos enraizado na terra, na qual vos
proporcionamos subsistência. Quão pouco agradeceis!
11 Criamo-vos e vos demos configuração,(482)
então
dissemos aos anjos: Prostrais-vos ante Adão! E todos se
prostraram, menos Lúcifer, que se recusou a ser dos
prostrados.
12 Perguntou-lhe (Deus): Que foi que te impediu de
prostrar-te, embora to tivéssemos ordenado? Respondeu:
Sou superior a ele; a mim criaste do fogo, e a ele do
barro.(483)
13 Disse-lhe: Desce daqui (do Paraíso), porque aqui não é
permitido te ensoberbeceres. Vai-te daqui, porque és um
dos abjetos!
14 Implorou: Tolera-me até ao dia em que (os seres) forem
ressuscitados!
15 Respondeu-lhe: Considera-te entre os tolerados!
16 Disse: Juro que, por me teres extraviado,(484)
desviá-losei
da Tua senda reta.
17 E, então, atacá-los-ei pela frente e por trás, pela direita
e pela esquerda e não acharás, entre eles, muitos
agradecidos!
18 Deus lhe disse: Sai daqui! Vituperado! Rejeitado! Juro
que encherei o inferno contigo e com aqueles que te
seguirem.
19 E tu, ó Adão,(485)
habita com tua esposa o Paraíso!
Desfrutai do que vos aprouver; porém, não vos aproximeis
desta árvore, porque estareis entre os transgressores.
20 Então, Satã lhe cochichou, para revelar-lhes o que, até
então, lhes havia sido ocultado das suas vergonhas,
dizendo-lhes: Vosso Senhor vos proibiu esta árvore para
que não vos convertêsseis em dois anjos ou não
estivésseis entre os imortais.
21 E ele lhes jurou: Sou para vós um fiel conselheiro.
22 E, com enganos, seduziu-os. Mas quando colheram o
fruto da árvore, manifestaram-se-lhes as vergonhas e
começaram a cobrir-se com folhas, das plantas do Paraíso.
Então, seu Senhor os admoestou: Não vos havia vedado
esta árvore e não vos havia dito que Satanás era vosso
inimigo declarado?
23 Disseram: Ó Senhor nosso, nós mesmos nos
condenamos e, se não nos perdoares a Te apiedares de
nós, seremos desventurados!
24 E Ele lhes disse: Descei! Sereis inimigos uns dos outros
e tereis, na terra, residência e gozo transitórios.
25 Disse-lhes (ainda): Nela vivereis e morrereis, e nela
sereis ressuscitados.(486)
26 Ó filhos de Adão, enviamos-vos vestimentas,(487)
tanto
para dissimulardes vossas vergonhas, como para o vosso
aparato; porém, o pudor é preferível! Isso é um dos sinais
de Deus, para que meditem.
27 Ó filhos de Adão, que Satanás não vos seduza, como
seduziu vossos pais no Paraíso, fazendo-os sair dele,
despojando-os dos seus invólucros (de inocência), para
mostrar-lhes as suas vergonhas! Ele e seus asseclas vos
espreitam, de onde não os vedes. Sem dúvida que temos
designado os demônios como amigos dos incrédulos.
28 Quando estes cometem uma obscenidade, dizem:
Cometemo-la porque encontramos nossos pais fazendo
isto; e foi Deus Quem no-la ordenou. Dize: Deus jamais
ordena obscenidade. Ousais dizer de Deus o que ignorais?
29 Dize ainda: Meu Senhor só ordena a eqüidade, para
que vos consagreis a Ele, em todas as mesquitas, e O
invoqueis sinceramente. Assim como vos criou, retornareis
a Ele.
30 Ele encaminhou alguns, e outros mereceram ser
desviados, porque adotaram por protetores os demônios,
em vez de Deus, pensando que estavam bem
encaminhados.
31 Ó filhos de Adão, revesti-vos de vosso melhor atavio(488)
quando fordes às mesquitas; comei e bebei; porém, não
vos excedais, porque Ele não aprecia os perdulários.
32 Dize-lhes: Quem pode proibir as galas de Deus e o
desfrutar os bons alimentos que Ele preparou para Seus
servos? Dize-lhes ainda: Estas coisas pertencem aos que
crêem, durante a vida neste mundo; porém, serão
exclusivas dos crentes, no Dia da Ressurreição. Assim
elucidamos os versículos aos sensatos.
33 Dize: Meu Senhor vedou as obscenidades, manifestas
ou íntimas; o delito; a agressão injusta; o atribuir parceiros
a Ele, porque jamais deu autoridade a que digais d’Ele o
que ignorais.
34 Cada nação tem o seu termo e, quando se cumprir, não
poderá atrasá-lo nem adiantá-lo uma só hora.
35 Ó filhos de Adão, quando se apresentarem
mensageiros, dentre vós, que vos ditarão Meus versículos,
aqueles que temerem a Deus e a Ele se encomendarem
não serão presas do temor, nem se atribularão.
36 Aqueles que desmentirem os Nossos versículos e se
ensoberbecerem serão condenados ao inferno, onde
permanecerão eternamente.
37 Haverá alguém mais iníquo do que quem forja mentiras
acerca de Deus ou desmente os Seus versículos? Eles
participarão(489)
do que está estipulado no Livro, até que se
lhes apresentem os Nossos mensageiros para separá-los
de suas almas e lhes digam: Onde estão aqueles que
invocáveis, em vez de Deus? Dirão: Desvaneceram-se!
Com isso, confessarão que haviam sido incrédulos.
38 Deus lhes dirá: Entrai no inferno, onde estão as
gerações de gênios e humanos que vos precederam! Cada
vez que aí ingressar uma geração, abominará a geração
congênere, até que todas estejam ali recolhidas; então, a
última dirá, acerca da primeira: Ó Senhor nosso, eis aqui
aqueles que nos desviaram; duplica-lhes(490)
o castigo
infernal! Ele lhes dirá: o dobro será para todos; porém, vós
o ignorais.
39 Então, a primeira dirá à última: Não vos devemos favor
algum. Sofrei, pois, o castigo, pelo que cometestes.
40 Àqueles que desmentirem os Nossos versículos e se
ensoberbecerem, jamais lhes serão abertas as portas do
céu, nem entrarão no Paraíso, até que um camelo passe
pelo buraco de uma agulha. Assim castigamos os
pecadores.
41 Terão o inferno por leito, cobertos com mantos de fogo.
Assim castigamos os iníquos.
42 Quanto aos fiéis, que praticam o bem – jamais impomos
a alguém uma carga superior às suas forças -, saibam que
serão os diletos do Paraíso, onde morarão eternamente.
43 Extinguiremos todo o rancor(491)
de seus corações. A
seus pés correrão os rios, e dirão: Louvado seja Deus, que
nos encaminhou até aqui; jamais teríamos podido
encaminhar-nos, se Ele não nos tivesse encaminhado. Os
mensageiros de nosso Senhor nos apresentaram a
verdade. Então, ser-lhes-á dito: Eis o Paraíso que
herdastes em recompensa pelos que fizestes.
44 E os diletos do Paraíso gritarão aos condenados, no
inferno: Verificamos que era verdade tudo quanto nosso
Senhor nos havia prometido. Porventura, comprovastes
que era verdade o que o vosso Senhor vos havia
prometido? Dirão: Sim!(492)
Um arauto, então, proclamará
entre eles: Que a maldição de Deus caia sobre os iníquos,
45 Que afastam os demais da senda de Deus, anunciamna
tortuosa e negam a vida futura!(493)
46 E entre ambos haverá um véu e, nos cimos,(494)
situarse-ão
homens que reconhecerão todos, por suas
fisionomias, e saudarão os diletos do Paraíso: Que a paz
esteja convosco! Porém, ainda que eles (os dos cimos)
anelem o Paraíso, não entrarão ali.
47 Mas, quando seus olhares(495)
se voltarem para os
condenados ao inferno, dirão: Ó Senhor nosso, não nos
juntes com os iníquos.
48 Os habitantes dos cimos gritarão a uns homens, os
quais reconhecerão por suas fisionomias: De que vos
serviram os vossos tesouros e a vossa soberbia?
49 São estes, acaso, de quem juraste que Deus não os
agraciaria com Sua misericórdia? (Deus dirá a eles): Entrai
no Paraíso, onde não sereis presas do temor, nem vos
atribulareis.
50 Os condenados ao inferno clamarão os diletos do
Paraíso: Derramai por sobre nós um pouco de água ou
algo com que Deus vos agraciou. Dir-lhes-ão: Deus vedou
ambos aos incrédulos,
51 Que tomaram sua religião por diversão e jogo, e os
iludiu a vida terrena! Esquecemo-los hoje, como eles
esqueceram o comparecimento, neste dia, bem como por
terem negado os Nossos versículos,
52 Não obstante lhes temos apresentado um Livro, o qual
lhes elucidamos sabiamente, e é orientação e misericórdia
para os crentes.
53 Esperam eles, acaso, algo além da comprovação? O
dia em que esta chegar, aqueles que a houverem
desdenhado, dirão: Os mensageiros de nosso Senhor nos
haviam apresentado a verdade. Porventura obteremos
intercessores, que advoguem em nosso favor? Ou
retornaremos, para nos comportarmos distintamente de
como o fizemos? Porém, já terão sido condenados, e tudo
quanto tiverem forjado desvanecer-se-á.
54 Vosso Senhor é Deus, Que criou os céus e a terra(496)
em seis dias, assumindo, em seguida, o Trono.(497)
Ele
ensombrece o dia com a noite, que o sucede
incessantemente. O sol, a lua e as estrelas estão
submetidos ao Seu comando. Acaso, não Lhe pertencem a
criação e o poder? Bendito seja Deus, Senhor do Universo.
55 Invocai vosso Senhor humílima e intimamente, porque
Ele não aprecia os transgressores.
56 E não causeis corrupção na terra, depois de haver sido
pacificada. Outrossim, incovai-O com temor e esperança,
porque Sua misericórdia está próxima dos benfeitores.
57 Ele é Quem envia os ventos alvissareiros(498)
, por Sua
misericórdia, portadores de densas nuvens, que impulsiona
até uma comarca árida e delas faz descer a água,
mediante a qual produzimos toda a classe de frutos. Do
mesmo modo ressuscitamos os mortos, para que mediteis.
58 Da terra fértil brota a vegetação, com o beneplácito do
seu Senhor; da estéril, porém, nada brota, senão
escassamente. Assim elucidamos os versículos para os
agradecidos.
59 Enviamos Noé ao seu povo,(499)
ao qual disse: Ó povo
meu, adorai a Deus, porque não tereis outra divindade
além d’Ele. Temo, por vós, o castigo do dia aziago.
60 Os chefes, dentre seus povos, disseram: Vemos-te em
um erro evidente.
61 Respondeu-lhes: Ó povo meu, não há erro em mim,
pois sou o mensageiro do Senhor do Universo.
62 Comunico-vos as mensagens do meu Senhor,
aconselho-vos, e sei de Deus o que ignorais.
63 Estranhais, acaso, que chegue uma mensagem do
vosso Senhor por intermédio de um homem da vossa
raça? Isto é para admoestar-vos e para que temais a Deus,
a fim de que sejais compadecidos.
64 Porém, desmentiram-no, e o salvamos, juntamente com
os que com ele estava na arca, afogando aqueles que
desmentiram o Nossos versículos, porque constituíam um
povo cego.
65 E ao povo de Ad(500)
enviamos seu irmão Hud, o qual
disse: Ó povo meu, adorai a Deus, porque não tereis outra
divindade além d’Ele. Não O temeis?
66 Porém, os chefes incrédulos, dentre seu povo,
disseram: Certamente, vemos-te em insensatez e achamos
que és mentiroso.
67 Respondeu-lhes: Ó povo meu, não há insensatez em
mim, e sou o mensageiro do Senhor do Universo.
68 Comunico-vos as mensagens do meu Senhor e sou
vosso fiel conselheiro.
69 Estranhais, acaso, que vos chegue uma mensagem do
vosso Senhor, por um homem da vossa raça, para
admoestar-vos? Reparai em como Ele vos designou
sucessores do povo de Noé, e vos proporcionou alta
estatura. Recordai-vos das mercês de Deus (para
convosco), a fim de que prospereis.
70 Disseram-lhe: Vens, acaso, para fazer com que
adoremos só a Deus e abandonarmos os que adoravam
nossos pais? Faze, pois, com que se cumpram as tuas
predições, se estiveres certos.
71 Respondeu-lhes: Já vos açoitaram a abominação e a
indignação do vosso Senhor! Ousareis, acaso, discutir
comigo, a respeito de nomes que inventais, vós e vossos
pais, aos quais Deus não concedeu autoridade alguma?
Aguardai, pois, que eu aguardarei convosco.
72 Salvamo-lo, e a quem com ele estava, mercê, de Nossa
misericórdia, e extirpamos aqueles que desmentiram
Nossos versículos, porque não eram fiéis.
73 Ao povo de Samud(501)
enviamos seu irmão, Sáleh, que
lhes disse: Ó povo meu, adorai a Deus, porque não tereis
outra divindade além d’Ele. Chegou-vos uma evidência do
nosso Senhor. Ei-la aqui: a camela de Deus é um sinal
para vós; deixai-a pastar nas terras de Deus e não a
maltrateis, porque vos açoitará um doloroso castigo.
74 Lembrai-vos de que Ele vos designou sucessores do
povo de Ad, e vos enraizou na terra, em cujas planuras
ergueis palácios, e em cujas montanhas cavais moradias.
Recordai-vos das mercês de Deus para convosco e não
causeis flagelo, nem corrupção na terra.
75 Porém, os chefes dos que se ensoberbeceram, dentre
seu povo, perguntaram aos fiéis, submetidos: Estais
seguros de que Sáleh é um mensageiro do seu Senhor?
Responderam: nós cremos em sua missão.
76 Mas os que se ensoberbeceram lhes disseram: Nós
negamos o que credes.
77 E esquartejaram a camela,(502)
desacatando a ordem do
seu Senhor, e disseram: Ó Sáleh, faze, pois, com que se
cumpram as tuas predições, se és um dos mensageiros.
78 Então, fulminou-vos um terremoto,(503)
e a manhã
encontrou-os jacentes em seus lares.
79 E Sáleh distanciou-se deles(504)
, dizendo: Ó povo meu,
eu vos comuniquei a mensagem do meu Senhor e vos
aconselhei; porém, vós não apreciais os conselheiros.
80 E (enviamos) Lot,(505)
que disse ao seu povo: Cometeis
abominação como ninguém no mundo jamais cometeu
antes de vós,
81 Acercando-vos licenciosamente dos homens, em vez
das mulheres. Realmente, sois um povo transgressor.
82 E a resposta do seu povo só constituiu em dizer (uns
aos outros): Expulsai-vos da vossa cidade porque são
pessoas que desejam ser puras(506)
.
83 Porém, salvamo-los, juntamente com a sua família,
exceto a sua mulher, que se contou entre os que foram
deixados para trás.(507)
84 E desencadeamos sobre eles uma tempestade.(508)
Repara, pois, qual foi o destino dos pecadores!
85 E aos medianitas(509)
enviamos seu irmão Xuaib,(510)
que
lhes disse: Ó povo meu, adorai a Deus, porque não tereis
outra divindade além d’Ele! Já vos chegou uma evidência
do vosso Senhor! Sede leais, na medida e no peso! Não
defraudeis o próximo e não causeis corrupção na terra,
depois de ela haver sido pacificada! Isso será melhor para
vós, se sois fiéis.
86 Não vos posteis em caminho algum, obstruindo a senda
de Deus e ameaçando quem n’Ele crê, esforçando-vos em
fazê-la tortuosa. Recordai-vos de quando éreis uns poucos
e Ele vos multiplicou, e reparai qual foi o destino dos
depravados.(511)
87 E se entre vós há um grupo que crê na missão que me
foi confiada e outro que a nega, aguarda, até que Deus
julgue entre nós, porque Ele é o mais equânime dos juízes.
88 Os chefes que se ensoberbeceram, dentre o seu povo,
disseram-lhe: Juramos que te expulsaremos da nossa
cidade, ó Xuaib, juntamente com aqueles que contigo
crêem, a menos que retorneis ao nosso credo. (Xuaib)
retrucou: Ainda que o deploremos?
89 Forjaríamos mentiras a respeito de Deus, se
retornássemos ao vosso credo, sendo que Deus já vos
livrou dele. É impossível que o abracemos, sem que Deus,
nosso Senhor, o queira, porque nosso Senhor tudo
abrange sapientemente, e a Ele nos encomendamos. Ó
Senhor nosso, decide com eqüidade entre nós e o nosso
povo, porque Tu és o mais equânime dos juízes.
90 Mas os chefes incrédulos, dentre o seu povo, disseram:
Se seguirdes Xuaib, sereis desventurados!
91 Então, fulminou-os um terremoto, e a manhã encontrouos
jacentes em seus lares.
92 Aqueles que desmentiram Xuaib foram despojados das
suas habitações, como se nunca nelas houvessem
habitado. Aqueles que desmentiram Xuaib tornaram-se
desventurados.
93 Xuaib afastou-se deles, dizendo: Ó povo meu, já vos
comuniquei as mensagens do meu Senhor, e vos
aconselhei. Como poderei atribular-me por um povo
incrédulo?(512)
94 Jamais enviamos um profeta a cidade alguma, sem
antes afligirmos os seus habitantes com a miséria e
adversidade, a fim de que se humilhem.
95 Depois lhes trocamos o mal pelo bem, até que se
constituíssem em uma sociedade e, não obstante,
disseram: A adversidade e a prosperidade
experimentaram-nas nossos pais. Então, de repente,
surpreendemo-los com castigo, quando menos esperavam.
96 Mas, se os moradores das cidades tivessem acreditado
(em Deus) e O tivessem temido, tê-los-íamos agraciado
com as bênçãos dos céus e da terra. Porém, como
rejeitaram (a verdade), arrebatamo-los pelo que lucravam.
97 Estavam, acaso, os moradores das cidades seguros de
que Nosso castigo não os surpreenderia durante a noite,
enquanto dormiam?
98 Ou estavam, acaso, seguros de que Nosso castigo não
os surpreenderia em pleno dia, enquanto se divertiam?
99 Acaso, pensam estar seguros dos desígnios de Deus?
Só pensam estar seguros dos desígnios de Deus os
desventurados.
100 Não é, porventura, elucidativo para aqueles que
herdaram a terra dos seus antepassados que, se
quiséssemos, exterminá-los-íamos por seus pecados e
selaríamos os seus corações para que não
compreendessem?(513)
101 Tais eram as cidades, de cujas histórias te narramos
algo: sem dúvida que seus mensageiros lhes haviam
apresentado as evidências; porém, era impossível que
cressem no que haviam desmentido anteriormente. Assim,
Deus sigila os corações os incrédulos.
102 Porque nunca encontramos, na maioria deles,
promessa alguma, mas sim achamos que a maioria deles
era depravada.
103 Depois destes mensageiros enviamos Moisés, com
Nossos sinais, ao Faraó(514)
e aos chefes; mas estes se
condenaram, ao rechaçá-los. Repara, pois, qual foi o
destino dos corruptores.
104 Moisés disse: Ó Faraó, sou o mensageiro do Senhor
do Universo.
105 Justo é que eu não diga, a respeito de Deus, mais do
eu a verdade. Sem dúvida que vos trago uma evidência do
vosso Senhor.(515)
Permiti, portanto, que os israelitas
partam comigo.
106 Respondeu-lhe: Se de fato trazes um sinal, mostra-nolo,
se estiveres certo.
107 Então Moisés jogou o seu cajado, e eis que este se
converteu numa autêntica serpente.(516)
108 E mostrou a mão, e eis que era de um fulgor branco
para os espectadores.
109 Os chefes do povo do Faraó disseram: Sem dúvida
que és um mago habilíssimo.
110 (O Faraó disse): Ele pretende expulsar-vos da vossa
terra. Que aconselhais?
111 Responderam-lhe: Retém-no, juntamente com o seu
irmão, e manda recrutadores às cidades.
112 Que tragam todo mago hábil (que encontrarem).
113 Quando os magos se apresentaram ante o Faraó,
disseram: É de se supor que teremos uma recompensa se
sairmos vencedores.
114 E lhes respondeu: Sim, e vos contareis entre os mais
chegados (a mim).
115 Perguntaram: Ó Moisés, lançarás tu, ou então
seremos nós os primeiros a lançar?
116 Respondeu-lhes: Lançai vós! E quando lançaram
(seus cajados), fascinaram os olhos das pessoas,
espantando-as, e deram provas de uma magia(517)
extraordinária.
117 Então, inspiramos Moisés: Lança o teu cajado! Eis que
este devorou tudo quanto haviam simulado.
118 E a verdade prevaleceu, e se esvaneceu tudo o que
haviam fingido.
119 (O Faraó e os chefes) foram vencidos, e foram
humilhados.
120 E os magos caíram prostrados.
121 Disseram: Cremos no Senhor do Universo,
122 O Senhor de Moisés e de Aarão!
123 O Faraó lhes disse: Credes nele sem que eu vos
autorize? Em verdade isto é uma conspiração que
planejastes na cidade, para expulsardes dela a população.
Logo o sabereis.
124 Juro que vos deceparei as mãos e os pés dos lados
opostos e então vos crucificarei a todos.
125 Disseram-lhe: É certo que retornaremos ao nosso
Senhor.
126 Vingas-te de nós só porque cremos nos sinais de
nosso Senhor quando nos chegam? Ó Senhor nosso,
concede-nos paciência e faze com que morramos
muçulmanos!
127 Então, os chefes do povo do Faraó disseram:
Permitirás que Moisés e seu povo façam corrupção na
terra e te abandonem, a ti e aos teus deuses? Respondeulhes:
Sacrificaremos os seus filhos; contudo, deixaremos
viver as suas mulheres e assim seremos os seus
dominadores.
128 Moisés disse ao seu povo: Implorai o socorro de Deus
e perseverai, porque a terra só é de Deus e Ele a dá em
herança a quem Lhe apraz dentre os Seus servos. A
recompensa será para os tementes.
129 Disseram-lhe: Fomos maltratados, antes e depois que
tu nos chegaste. Respondeu-lhes: É possível que o vosso
Senhor extermine os vossos inimigos e vos faça herdeiros
na terra, para ver como vos comportais.
130 Já havíamos castigado o povo do Faraó com os anos
(de seca) e a diminuição dos frutos, para que meditassem.
131 Porém, quando lhes chegava a prosperidade, diziam:
Isto é por nós! Por outra, quando lhes ocorria uma
desgraça, atribuíram-na ao mau augúrio de Moisés e
daqueles que com ele estavam. Qual! Em verdade, o seu
mau augúrio está com Deus. Porém, a sua maioria o
ignora.
132 Disseram-lhe: Seja qual for o sinal que nos
apresentares para fascinar-nos, jamais em ti creremos.
133 Então lhes enviamos as inundações, os gafanhotos, as
lêndeas, os sapos e o sangue, como sinais evidentes;(518)
porém, ensoberbeceram-se, porque eram pecadores.
134 Mas quando vos açoitou o castigo, disseram: Ó
Moisés, implora por nós, de teu Senhor, o que te prometeu;
pois, se nos livrares do castigo, creremos em ti e
deixaremos partir contigo os israelitas.
135 Porém, quando os livramos do castigo, adiando-o para
o término prefixado, eis que perjuram!
136 Então, punimo-los, e os afogamos(519)
no mar por
haverem desmentido e negligenciado os Nossos
versículos.(520)
137 Fizemos com que o povo que havia sido escravizado
herdasse as regiões orientais e ocidentais da terra, as
quais abençoamos. Então, a sublime promessa de teu
Senhor se cumpriu, em relação aos israelitas, porque
foram perseverantes, e destruímos tudo quanto o Faraó e
o seu povo haviam erigido.
138 Fizemos os israelitas atravessar o mar, e eis que
encontrando (depois) um povo devotado a alguns de seus
ídolos, disseram: Ó Moisés, faze-nos um deus como os
seus deuses! Respondeu-lhes: Sois um povo de
insipientes!
139 Porque em verdade, tudo quanto eles adorarem
aniquilá-los-á, e em vão será tudo quanto fizerem.
140 Disse: Como poderia apresentar-nos outra divindade
além de Deus, uma vez que vos preferiu aos vossos
contemporâneos?
141 Recordai-vos de quando vos livramos do povo do
Faraó que vos infligia os piores castigos, sacrificando os
vossos filhos e deixando com vida as vossas mulheres;
naquilo tivestes uma grande prova do vosso Senhor!
142 Ordenamos a Moisés trinta noites (de solidão), as
quais aumentamos de outras dez,(521)
de maneira que o
tempo fixado por seu Senhor foi, no total, de quarenta
noites. E Moisés disse ao seu irmão Aarão: Substitui-me,
ante meu povo; age de modo correto e não sigas a senda
dos depravados.
143 E quando Moisés chegou ao lugar que lhe foi
designado, o seu Senhor lhe falou, orou assim: ó Senhor
meu, permite-me que Te contemple(522)
! Respondeu-lhe:
Nunca poderás ver-Me! Porém, olha o monte e, se ele
permanecer em seu lugar, então Me verás! Porém, quando
a majestade do seu Senhor resplandeceu sobre o Monte,
este se reduziu a pé e Moisés caiu esvanecido. E quando
voltou a si, disse: Glorificado sejas! Volto a Ti contrito, e
sou o primeiro dos fiéis!
144 Disse-lhe: Ó Moisés, tenho-te preferido aos (outros)
homens(523)
, revelando-te as Minhas mensagens e as
Minhas palavras! Recebe, pois, o que te tenho concedido,
e sê um dos agradecidos!
145 Nas tábuas prescrevemos-lhe toda a classe de
exortação, e a elucidação de todas as coisas, (e lhe
dissemos): Recebe-as com fervor e recomenda ao teu
povo que observe o melhor delas. Logo, vos mostrarei a
morada dos depravados.
146 Afastarei do Meus versículos aqueles que se
envaidecem sem razão, na terra e, mesmo quando virem
todo o sinal, nele não crerão; e, mesmo quando virem a
senda da retidão, não a adotarão por guia. Em troca, se
virem a senda do erro, tomá-la-ão por guia. Isso porque
rejeitaram os Nossos sinais e os negligenciaram.
147 Quanto àqueles que desmentiram os Nossos
versículos e o comparecimento na outra vida, suas obras
tornar-se-ão sem efeito. Acaso, esperam alguma
retribuição, exceto pelo que houverem feito?
148 O povo de Moisés, em sua ausência, fez, com suas
próprias jóias,(524)
a imagem de um bezerro, que emitia
mugidos.(525)
Não repararam em que não podia falar-lhes,
nem encaminhá-los por senda alguma? Apesar disso o
adoraram e se tornaram iníquos.
149 Mas, quando se aperceberam de que estavam
desviados, disseram: Se nosso Senhor não se apiedar de
nós e não nos perdoar, contar-nos-emos entre os
desventurados.
150 Quando Moisés voltou ao seu povo, colérico e
indignado, disse-lhes: Que abominável é isso que fizestes
na minha ausência! Quisestes apressar a decisão do vosso
Senhor? Arrojou as tábuas(526)
e, puxando pelo cabelo seu
irmão, arrastou-o até si, e Aarão disse: Ó filho de minha
mãe, o povo me julgou débil e por pouco não me matou.
Não faças com que os inimigos de regozigem da minha
desdita, e não me contes entre os iníquos!
151 Então (Moisés) disse: Ó Senhor meu, perdoa-nos, a
mim e ao meu irmão, e ampara-nos em Tua misericórdia,
porque Tu és o mais clemente dos misericordiosos!
152 Quanto àqueles que adoraram o bezerro, a
abominação de seu Senhor os alcançará, assim como o
desdém, na vida deste mundo. Assim castigaremos os
forjadores.
153 Quanto àqueles que cometem torpezas e logo se
arrependem e crêem, fica sabendo que Teu Senhor é,
depois disso, Indulgente, Misericordiosíssimo.
154 Quando a cólera de Moisés se apaziguou, ele recolheu
as tábuas em cujas escrituras estavam a orientação e a
misericórdia para os que temem ao seu Senhor.
155 Então Moisés selecionou setenta homens, dentre seu
povo, para que comparecessem ao lugar por Nós
designado; e quando o tremor se apossou deles, disse: Ó
Senhor meu, quisesses Tu, tê-los-ias exterminado antes,
juntamente comigo! Porventura nos exterminarias pelo que
cometeram os néscios dentre nós? Isto não é mais do que
uma prova Tua, com a qual desvias quem faz isso, e
encaminhas quem Te apraz; Tu és nosso Protetor. Perdoanos
e apieda-Te de nós, porque Tu és o mais equânime
dos indulgentes!
156 Concede-nos uma graça, tanto neste mundo como no
outro, porque a Ti nos voltamos contritos. Disse: Com Meu
castigo açoito quem quero e Minha clemência abrange
tudo, e a concederei aos tementes (a Deus) que pagam o
zakat, e crêem nos Nossos versículos.
157 São aqueles que seguem o Mensageiro, o Profeta
iletrado, o qual encontram mencionado em sua Tora e no
Evangelho,(527)
o qual lhes recomenda o bem e que proíbe
o ilícito, prescreve-lhes todo o bem e vedalhes o imundo,
alivia-os dos seus fardos e livra-os dos grilhões que o
deprimem. Aqueles que nele creram, honraram-no,
defenderam-no e seguiram a Luz que com ele foi enviada,
são os bem-aventurados.
158 Dize: Ó humanos, sou o Mensageiro de Deus, para
todos vós; Seu é o reino dos céus e da terra. Não há mais
divindades além d’Ele. Ele é Quem dá a vida e a morte!
Crede, pois, em Deus e em Seu Mensageiro, o Profeta
iletrado(528)
, que crê em Deus e nas Suas palavras; segui-o,
para que vos encaminheis.
159 Entre o povo de Moisés existe uma comunidade que
se rege pela verdade, com a qual julga.
160 Havíamo-los dividido em doze tribos, formando
nações; e, quando o povo sedento pediu a Moisés e que
beber, inspiramo-los: Golpeia a rocha com o teu cajado! E,
de pronto, britaram dela doze mananciais, e cada tribo
reconheceu o seu. Logo, os sombreamos com cúmulos e
lhes enviamos o maná e as codornizes, dizendo-lhes:
comei de todo o bem com que vos temos agraciado.
Porém, (desagradeceram e com isso) não Nos
prejudicaram; outrossim, condenaram-se a si mesmos.
161 Recorda-te de quando lhes foi dito: Habitai esta cidade
e comei do que for de vosso agrado, e dizei: Remissão! E
entrai pela porta, prostrando-vos; então, perdoaremos os
vossos pecados e aumentaremos (a porção) dos
benfeitores.
162 Porém, os iníquos dentre eles permutaram a Palavra
por outra que não lhes havia sido dita. Por isso,

desencadeamos sobre eles um castigo do céu, por sua
iniqüidade.
163 Interroga-os a respeito da cidade próxima ao mar(529)
,
de como os seus habitantes profanavam o sábado,
pescando; de como, quando profanavam o sábado, os
peixes apareciam à flor d’água; em troca, não lhes
apareciam nos dias que não eram sábado. Assim os
pusemos à prova, por sua transgressão.
164 Recorda-te de quando um grupo deles disse: Por que
exortais um povo que Deus exterminará ou atormentará
severamente? Outro grupo disse: Fazemo-lo para que
tenhamos uma desculpa ante o vosso Senhor; quem sabe
O temerão (depois disso!)
165 Mas quando se esqueceram de toda a exortação,
salvamos aqueles que pregavam contra o mal, e infligimos
os iníquos um severo castigo, por sua transgressão.
166 E quando, ensoberbecidos, profanaram o que lhes
havia sido vedado, dissemos-lhes: Sede símios
desprezíveis!
167 E de quando teu Senhor declarou(530)
que enviaria
contra eles (os judeus) alguém que lhes infligiria o pior
castigo, até ao Dia da Ressurreição; em verdade, o teu
Senhor é destro no castigo assim como é Indulgente,
Misericordiosíssimo.
168 Separamo-los(531)
em grupos pela terra; entre eles há
aqueles que são justos e há aqueles que não o são;
pusemo-los à prova, com prosperidade e adversidade, com
o fim de que se convertessem.
169 Sucedeu-lhes uma geração que herdou o Livro, a qual
escolheu as futilidades deste mundo, dizendo: Isto nos
será perdoado! E se lhes fosse oferecido outro igual, tê-loiam
recebido (e transgredido novamente). Acaso, não lhes
havia sido imposta a obrigação, estipulada no Livro, de não
dizer de Deus mais que a verdade? Não obstante, haviam
estudado nele! Sabei que a morada da outra vida é
preferível, para os tementes. Não raciocinais?
170 Quanto àqueles que se apegam ao Livro e observam a
oração, saibam que não frustraremos a recompensa dos
conciliadores.
171 E (recorda-te) de quando arrancamos o monte (Sinai),
elevando-o sobre eles como se fosse um teto! Creram que
lhes fosse desmoronar em cima, e então lhes dissemos:
Observai fervorosamente o que vos temos concedido e
recordai o seu conteúdo, para que Me temais.
172 E de quando o teu Senhor extraiu(532)
das entranhas do
filhos de Adão os seus descendentes e os fez testemunhar
contra si próprios, dizendo: Não é verdade que sou o vosso
Senhor? Disseram: Sim! Testemunhamo-lo! Fizemos isto
com o fim de que no Dia da Ressurreição não dissésseis:
Não estávamos cientes.
173 Ou não dissésseis: Anteriormente nossos pais
idolatravam, e nós, sua descendência, seguimo-los.
Exterminar-nos-ias, acaso pelo que cometeram frívolos?
174 Assim elucidamos os versículos, a fim de que
desistam.
175 Repete-lhes (ó Mensageiro) a história(533)
daquele ao
qual agraciamos com os Nossos versículos e que os
desdenhou; assim, Satanás o seguiu e ele se contou entre
os seduzidos.
176 Mas, se quiséssemos, tê-lo-íamos dignificado; porém,
ele se inclinou para o mundo e se entregou à sua luxúria.
O seu exemplo é semelhante ao do cão(534)
que, se o
acossas, arqueja; se o deixas, assim mesmo arqueja. Tal é
o exemplo daqueles que desmentem os Nossos versículos.
Refere-lhes estes relatos, a fim de que meditem.
177 Que péssimo é o exemplo daqueles que desmentem
os Nossos versículos! Em verdade, com isso se
condenam.
178 Quem Deus encaminhar estará bem encaminhado;
aqueles que desencaminhar serão desventurados.
179 Temos criado para o inferno numerosos gênios e
humanos com corações com os quais não compreendem,
olhos com os quais não vêem, e ouvidos com os quais não
ouvem. São como as bestas, quiçá pior, porque são
displicentes.
180 Os mais sublimes atributos(535)
pertencem a Deus;
invocai-O, pois, e evitai aqueles que profanam os Seus
atributos, porque serão castigados pelo que tiverem
cometido.
181 Entre os povos que temos criado, há um que se rege
pela verdade, e com ela julga.
182 Quanto àqueles que desmentem os Nossos
versículos, apresentar-lhes-emos gradativamente, o
castigo, de modo que não o percebam.
183 E lhes concederemos folgança, porque o Meu plano é
firme.
184 Não refletem no fato de que seu companheiro(536)
não
padece de demência alguma? Que não é mais do que um
elucidativo admoestador?
185 Não reparam no reino dos céus e da terra e em tudo
quando Deus criou e em que, quiçá, seu fim se aproxima?
E que mensagem, depois desta (Alcorão), crerão?
186 Aqueles a quem Deus desviar (por tal merecerem)
ninguém poderá encaminhar, porque Ele os abandonará,
vacilantes, em sua transgressão.
187 Perguntar-te-ão acerca da Hora (do Desfecho):
Quando acontecerá? Responde-lhes: Seu conhecimento
está só em poder do meu Senhor e ninguém, a não ser
Ele, pode revelá-lo; (isso) a seu devido tempo. Pesada
será, nos céus e na terra, e virá inesperadamente.
Perguntar-te-ão, como se tu tivesses pesquisado sobre ela
(a Hora do Desfecho). Responde-lhes: Seu conhecimento
só está em poder de Deus; porém, a maioria das pessoas
o ignora.
188 Dize: Eu mesmo não posso lograr, para mim, mais
benefício nem mais prejuízo do que o que for da vontade
de Deus. E se estivesse de posse do incognoscível,
aproveitar-me-ia de muitos bens, e o infortúnio jamais me
açoitaria. Porém, não sou mais do que um admoestador e
alvissareiro para os crentes.
189 Ele foi Quem vos criou de um só ser e, do mesmo,
plasmou a sua companheira, para que ele convivesse com
ela e, quando se uniu a ela (Eva), injetou-lhe uma leve
carga que nela permaneceu;(537)
mas quando se sentiu
pesada, ambos invocaram Deus, seu Senhor: Se nos
agraciares com uma digna prole, contar-nos-emos entre os
agradecidos.
190 Mas quando Ele os agraciou com uma prole digna(538)
,
atribuíram-Lhe parceiros, no que lhes havia concedido.
Exaltado seja Deus de tudo quanto Lhe atribuíram!
191 Atribuíram-Lhe parceiros que nada podem criar, uma
vez que eles mesmo são criados.
192 Nem tampouco poderão socorrê-los, nem poderão
socorrer a si mesmos.
193 Se os convocardes para a Orientação, não vos
ouvirão, pois tanto se lhes dará se os convocardes ou
permanecerdes mudos.
194 Aqueles que invocais em vez de Deus são servos,
como vós. Suplicai-lhes, pois, que vos atendam, se
estiverdes certos!
195 Têm, acaso pés para andar, mão para castigar, olhos
para ver, ou ouvidos para ouvir? Dize: Invocai vossos
parceiros, conspirai contra mim e não me concedais
folgança!
196 Meu protetor é Deus, que (me) revelou o Livro, e é Ele
Quem ampara os virtuosos.
197 Aqueles que invocais além d’Ele não podem socorrervos,
nem socorrer a si mesmos.
198 Se os convocardes para a Orientação, não vos
ouvirão; e tu (ó Mensageiro) verás que olham para ti,
embora não te vejam.(539)
199 Conserva-te indulgente, encomenda o bem e foge dos
insipientes.
200 E quando alguma tentação de Satanás te assediar,
ampara-te em Deus, porque Ele é Oniouvinte,
Sapientíssimo.
201 Quanto aos tementes, quando alguma tentação
satânica os acossa, recordam-se de Deus; ei-los
iluminados.
202 Quanto aos irmãos (malignos) arremessam-nos mais e
mais no erro, e dele não se retraem.
203 E se não lhes apresentas um sinal, dizem-te: Porque
não o inventas? Dize: Eu não faço mais do que seguir o
que me revela o meu Senhor. Este (Alcorão) encerra
discernimentos do vosso Senhor e é, por isso, orientação e
misericórdia para os que crêem.
204 E quando for lido o Alcorão, escutai-o e calai, para que
sejais compadecidos.
205 E recorda-te do teu Senhor intimamente, com
humildade e temor, sem manifestação de palavras, ao
amanhecer e ao entardecer, e não sejas um dos tantos
negligentes.
206 Porque aqueles que estão próximos do teu Senhor
não se ensoberbecem em adorá-Lo, e O glorificam,
prostrando-se ante Ele.